ÁFRICA: nas entrelinhas da “ajuda” de Bill Gates

Em um mundo onde a assimetria econômica é latente, devemos ter sempre um “pé atrás” quando a “esmola é demais”.  É o que ocorreu com uma equipe de cientistas britânicos que recebeu 10 milhões de dólares em ajuda da fundação norte-americana de Bill Gates para desenvolver sementes transgênicas, informou a BBC. A doação é um dos maiores investimentos realizados no Reino Unido no campo dos alimentos geneticamente modificados e tem como objetivo “beneficiar” agricultores africanos, disse a rede.

O Centro John Innes, localizado na cidade de Norwich, irá criar sementes de milho, trigo e arroz que não precisam de fertilizantes nem de agrotóxicos para crescer. Como os pequenos produtores da África não possuem dinheiro para comprar estes itens, o projeto espera que sua agricultura cresça com a introdução dos transgênicos.

A iniciativa faz parte do programa da Fundação Bill & Melinda Gates de combater a fome na África Subsaariana, mas pode trazer problemas futuros aos agricultores e consumidores africanos.

“Minha impressão, e eu acredito que seja a da maioria, com alimentos e sementes transgênicas era a de que um gene era introduzido e que apenas isso se transformava”, disse um antigo funcionário da empresa Monsanto. “Mas, na verdade, o processo de engenharia genética muda à célula de tal maneira que não se sabe quais os efeitos que acontecerão”, acrescentou Kirk Azevedo, PhD em engenharia alimentar.

Pesquisas recentes na área da Medicina nos Estados Unidos e Canadá apontam que a ingestão desses alimentos pode levar a problemas no fígado e no coração, além de diversas alergias. Enquanto crescem indícios de que os alimentos transgênicos podem trazer conseqüências nocivas à saúde humana, denúncias de que estas sementes criam pragas de insetos mutantes se amontoam ao redor do mundo.

Em junho deste ano, produtores norte-americanos alertaram para o surgimento de uma nova geração de insetos resistentes a uma semente transgênica do milho que estavam acabando com a sua produção, como noticiado pelo The Nation of Change e pela revista Mother Jones. Na Índia, as plantações de algodão também foram atingidas por uma nova espécie de praga.

Ativistas de diversas partes do mundo questionam a criação de sementes transgênicas que se mostraram um mercado muito atrativo às empresas multinacionais. Quando surge uma nova praga mutante, os criadores de transgênicos criam uma nova semente geneticamente modificada para resolver o problema, levando a uma falsa solução.

O milionário norte-americano pode estar introduzindo os pequenos agricultores africanos a um problema sem fim.

Adaptado de operamundi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s